Também conhecida como ultrassonografia endoscópica, é um exame que associa a endoscopia digestiva convencional com a ultrassonografia em um único equipamento. Através da ecoendoscopia é possível avaliar as camadas mais profundas do tubo digestivo, além de estruturas e órgãos adjacentes, tais como fígado, pâncreas, vesícula biliar, útero, ovários e linfonodos, entre outros. Além disso, é possível obter material de lesões suspeitas através de punções dirigidas. 


A Ecoendoscopia pode ser alta (ecoendoscopia digestiva alta) ou baixa (ecoendoscopia digestiva baixa ou transretal). Para a realização da ecoendoscopia alta é necessário apenas jejum de 8 horas, enquanto para o exame transretal é necessário preparo intestinal à base de dieta e uso de laxantes.

Os exames são realizados em regime ambulatorial com o paciente sedado por Nossa Equipe de Anestesia. O exame dura cerca de 15 a 20 minutos e o paciente é liberado da Clínica após a recuperação pós-anestésica.

Durante o procedimento diagnóstico pode ser necessária a complementação do exame através de punções ou biópsias de lesões através de agulhas finas, que são introduzidas através do canal do aparelho. A agulha perfura a mucosa e colhe material para análise microscópica posterior. Através deste procedimento também é possível a drenagem de cistos e pseudocistos.

Indicações para Ecoendoscopia alta

As indicações deste procedimento são bastante numerosas e vem aumentando a cada dia. Dentre as principais indicações, podemos incluir:
 

Investigação de lesões provenientes das camadas mais profundas da parede do esôfago, estômago ou duodeno. São as chamadas lesões submucosas, que têm avaliação bastante limitada pela endoscopia digestiva convencional.
Pesquisa de icterícias.
Hipertensão portal e ascite.
Colelitíase (cálculos na vesícula biliar)
Pancreatite aguda e crônica
Avaliação e estadiamento de vários tipos de câncer, tais como: esôfago, estômago, duodeno, pâncreas e vias biliares, etc
Pseudocistos de pâncreas
Avaliação e biópsias de linfonodos ou gânglios situados junto ao tubo digestivo alto, na avaliação de doenças metastáticas ou neoplasia linfonodal primária

Indicações para Ecoendoscopia baixa

• Investigação de lesões provenientes das camadas mais profundas da parede do reto e cólon. São as chamadas lesões submucosas, que têm avaliação bastante limitada pela colonoscopia ou retossigmoidoscopia convencional.
• Avaliação e estadiamento de vários tipos de câncer, tais como: colorretal, útero, ovários, etc.
• Avaliação e biópsias de linfonodos ou gânglios situados junto ao reto e cólon, na avaliação de doenças metastáticas ou neoplasia linfonodal primária.
• Endometriose: especialmente em casos suspeitos de envolvimento da parede do retossigmóide pela patologia.
• Hipertensão portal e ascite.