A gastroplastia endoscópica por balão intragástrico ou simplesmente Balão gástrico é uma modalidade terapêutica não cirúrgica no apoio ao tratamento da obesidade.


Ao contrário dos outros procedimentos que são cirúrgicos, o balão é colocado através de uma endoscopia digestiva. É um procedimento ambulatorial no qual o paciente é submetido a sedação profunda, com acompanhamento de Anestesista.

O balão é radiopaco, possibilitando um acompanhamento mais seguro no interior do estômago, através de ultrassom ou por radiografia simples do abdome.

Como é o balão intragástrico:

Trata-se de um balão esférico de silicone, que é introduzido vazio dentro do estômago do paciente sob sedação através de um procedimento de endoscopia digestiva e depois é lentamente preenchido com corante azul.

O conceito de como funciona é simples, pois depois de cheio, esse balão ocupará parte do espaço do estômago; ele é grande o suficiente para não passar para o intestino delgado e móvel, não impedindo assim o trânsito dos alimentos, mas levará o paciente a ter uma sensação de plenitude. Ou seja, com esse espaço preenchido o paciente fica satisfeito em curto espaço de tempo e sobra menos espaço para o alimento que irá ingerir.


A vida média do balão é de 6 meses, porém o tratamento pode variar entre 4 e 6 meses. O que vai determinar o tempo de tratamento em cada paciente é a sua curva de emagrecimento e sintomas ou co-morbidades associadas. Trabalhos científicos têm demonstrado que a grande perda de peso ocorre nos primeiros 4 meses. Depois parece haver uma adaptação ao balão. Por este motivo, pacientes que têm que perder grande quantidade de peso devem colocar novo balão após um período para continuar o tratamento.

É importantíssimo durante o uso do balão que o paciente seja acompanhado por uma Equipe Multidisciplinar composta pelo Médico Endoscopista, pelo Médico Nutrólogo, pela Nutricionista e também o Psicólogo. Nesse período deve haver uma redução calórica importante na dieta do paciente, com mudanças de hábitos alimentares. Esta reeducação alimentar é um processo lento e trabalhoso e é aí que o balão mostra sua função. Além disso, a atividade física tem papel fundamental, pois auxilia na queima calórica, aumentando a autoestima do paciente.

Nosso Serviço realiza controles endoscópicos a cada dois ou três meses, ou de acordo com a sintomatologia do paciente. Ao final do período de tratamento, de no máximo seis meses, o balão é retirado por uma nova endoscopia. O balão é esvaziado com cateter especial e é retirado vazio por uma pinça de apreensão descartável.

O sucesso do tratamento depende principalmente da força de vontade do paciente em mudar o seu estilo de vida, com adesão completa ao programa de emagrecimento. O balão funciona apenas como um estímulo para essa mudança, produzindo saciedade precoce.

Indicações do Tratamento

·  Pacientes com IMC acima de 35, refratários ao tratamento clínico, que apresentam contraindicações para o tratamento cirúrgico ou não aceitam o tratamento cirúrgico e apresentam doenças associadas à obesidade.

·  Pacientes com IMC menor que 35 que apresentam doenças secundárias à obesidade ou refratários ao tratamento clínico habitual por um período superior a três anos, contraindicação de drogas utilizadas no tratamento clínico ou doenças secundárias ao tratamento medicamentoso (hipotireoidismo secundário, distúrbios psiquiátricos droga-dependente).

·  IMC menor que 35 e maior que 27 para fins estéticos

Contra Indicações Relativas do Tratamento

• Dependência de álcool ou drogas
• Paciente com distúrbio psiquiátrico
• Úlcera gástrica ou duodenal em fase ativa
• Uso crônico de anticoagulantes
• Doenças do colágeno
• Doença inflamatória intestinal (Crohn, RCUI)
• Cirrose Hepática
• Insuficiência renal crônica
• AIDS
• Colelitíase (Cálculos de vesícula)
• Para perda de peso por razões meramente cosméticas/estéticas.
• Para perda de peso em pacientes com IMC menor que 28, a não ser que acompanhado de morbidades/riscos associados com a obesidade, onde seria esperado diminuírem com a perda de peso.
• Para pacientes que se submeteram anteriormente a cirurgias abdominais ou ginecológicas.

Contra Indicações Absolutas do Tratamento

• Anormalidades estruturais no esôfago ou faringe, como estreitamento ou divertículos
• Gravidez
• Varizes de esôfago
• Esofagite grave
• Esôfago de Barret de segmento longo
• Cirurgia gástrica prévia

Riscos e efeitos colaterais do Balão gástrico

• Efeitos colaterais imediatos (primeiras 72 horas após a implantação do balão): náuseas, vômitos e/ou dor abdominal de intensidades variáveis. Tais sintomas podem ser minimizados por medicamentos prescritos previamente pelo endoscopista, porém, em alguns casos pode ser necessário que o paciente seja encaminhado a um pronto atendimento para hidratação e medicação endovenosa.
• Efeitos tardios: doença do refluxo gastro-esofágico, migração do balão para o intestino delgado, intolerância permanente (vômitos incoercíveis por maior tempo do que o previsto), meteorismo, flatulência, úlceras e erosões gástricas, perfuração gástrica, infecção fúngica em torno do balão, rejeição da prótese pelo organismo, vazamentos na válvula do balão.

É importante salientar que tais fatores poderão obrigar a equipe médica a indicar uma intervenção endoscópica e até mesmo retirada do balão mesmo antes do tempo previsto.

Vantagens e benefícios da Gastroplastia por balão

• A colocação da prótese geralmente não requer internação hospitalar.
• Não exige afastamento das atividades do dia-a-dia.
• Em pacientes com obesidade mórbida, pode contribuir para a perda de peso no período preparatório para cirurgia eletiva.
• Volume ajustável a cada paciente previamente ao procedimento, porém não é possível a alteração do volume após a implantação.
• Uma opção menos invasiva para o tratamento da obesidade.
• Baixo risco de desnutrição.
• Ocupa parte do estômago causando saciedade precoce.
• Tempo de procedimento bastante pequeno (entre 20 e 30 minutos).
• Não interfere no processo fisiológico da digestão.
• Caso haja necessidade ou desejo do paciente, o balão pode ser retirado por outro procedimento endoscópico a qualquer momento.
• Tempo de permanência no estômago de 06 meses.
• Perda de peso e manutenção da perda, desde que haja aderência do paciente ao programa de mudança de hábitos higieno-dietéticos e de atividades físicas.
• Melhores resultados com a associação de medicamentos.
• Pode servir como uma experiência para o paciente que tem dúvida de como se comportaria com uma cirurgia bariátrica.
• Com o Balão Intragástrico não há restrições para atividades físicas.

Custos e autorização por parte dos convênios médicos

Geralmente os pacientes com IMC menor que 50 não conseguem autorização por parte da maioria dos convênios médicos, exceto em casos selecionados, quando o plano de saúde é convencido por argumentos clínicos que o procedimento endoscópico para controle da obesidade é mais vantajoso para ele, visto que pode minimizar custos com morbidades relacionadas à obesidade.

No caso dos pacientes super-obesos, com IMC maior que 50, o tratamento com a o Balão Intragástrico pode ser realizado através dos planos de assistência médica, graças à lei 9.656/98 que regulamenta este setor. Esta lei criou o chamado “plano de referência”, que obriga os planos de saúde a dar cobertura de todo o procedimento médico citado no “Rol de Procedimentos”. O tratamento com o Balão Intragástrico consta nesta listagem.